domingo, 29 de maio de 2016

SINA




E  todas as letras se espalharam pelo chão,
Do caos
nenhuma palavra  brotou então
Porque palavras, letras ou sons
não são...

A poesia não nasce assim,
Nem receita nem alquimia...
Nem química.
Nada de mim.

Vem daquele lugar
Tão humano e tão singular
Nem meu, nem seu...
É de Deus
É alma
É amar.

Daquele infinito
Tão bonito
Tão cheio de nada
Que por isso
tudo pode brotar...

A poesia
A  alegria
O amor
E até o terror...

Mas se tudo pode
É só escolher o que plantar.

No  infinito dessa mente
Que sente                                                  
- Que sentipensa -
Prefiro que brote o amor
Pois sob o deserto  há um rio
e sempre haverá uma flor

E eu rio...

É o sorriso
 mais bonito
Que chegou
Me olhou
Me levou
E me calou...

E percebi que a  poesia e a canção
São
Como uma oração.

E tanta poesia gritando em mim
que não consegui a exprimir
O sentimento mais profundo
Mais que o mundo
Mais que o aqui...

Mais que as letras
Que o deserto
Que o alfabeto
Que as infinitas possibilidades
Porque agora só me grita uma verdade;

O Caminho
O carinho
Que se faz ao caminhar
Ao pensar
Ao  materializar
Em palavras
Em desejos
Em sentimentos...

São tão intensos
Que nem o tempo
Nem o silêncio
Conseguem calar.

Um caminho
Que se faz ao caminhar
Pelo alfabeto
Pelo deserto
Pelos rios
Pelos céus
Ou pelo mar...

Áh, mar...
Por esse navegar
Sou deserto
Alfabeto
Sou caminho
Sou barco 
Sou trilha
Do caos
Ao cais


Mas sempre a navegar...

3 comentários:

Salve Jorge disse...

Sua sina
De ser menina
Que desatina
Tem haver com a fluência da poesia
Que não existe por dádiva divina
Nem do mundo das ideias é cria
O que permite a fantasia
É algo que tem sua primazia
No inspirar
Daí ser preciso uma musa
Como sabiam os helenos
Capaz de nos pirar
Na pira nos atirar
De atiçar até na vida mais obtusa
De tornar a verborragia profusa
Quando tal magia o caminho cruza
Devemos ser plenos
E serenos
Nos atirar
Ah mar
Porque mar há
E ainda que o horizonte siga lá
Além
Veja bem
Não é o cais
Que trás paz
É o que se faz
Para ir além...

Luis Antônio Paim Gomes disse...

Um lindo poema...Beijos

Luis Antônio Paim Gomes disse...

Lindo Poema...Beijos