domingo, 17 de fevereiro de 2008

DEDINHO DE PROSA

foto: Rogério Nunes, 2008



Deixo as janelas abertas
E sinto o vento;
Não estou nunca sozinha
Porque invento.
(me reinvento)

Como o gosto
Doce da infância
Como salada de frutas
No desejo e na ânsia

Uva
Passa
Uma
Mão

Que acaricia e trabalha
E pega o que cai no chão.

16 comentários:

Serjones disse...

se reinventar todos os dias é o que nos faz continuar (com ou sem salada de frutas).

cheguevara disse...

REinventarse, REnovarse, REvivir.
siempre.+++
abracio forte amica*
CHE

Tiago Moreira disse...

Distintos gostos instigam vossos versos, vontade de voar, de pegar tudo o que caia pelo caminho com as prórpias mãos, e seguir adiante.

Grato pela visita, seja sempre bem vinda por lá. Estou tomando a liberdade de linká-la para não perder o contato.

Beijos.

:: Daniel :: disse...

Gostei daqui, principalmente da sobriedade das palavras e fotos.

Te linkarei pra voltar mais vezes, ok?

Bjos,
Daniel

Fernando Santos (Chana) disse...

Lindo poema, gostei de mais !
Beijo para você

selénia disse...

Ju, com a poesia, minha emoção se esgana e esgarça, e comentar com a razão pura, (existe?)para mim é impossível, só digo que são belas as tuas palavras. E mais não digo.

Um excerto de Carlos Drummond de Andrade:

"Tua visita ardente me consola.
Tua visita ardente me desola.
Tua visita, apenas uma esmola."

O outro, também Andrade, o Eugénio:

As palavras

São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.

Secretas vêm, cheias de memória.
Inseguras navegam:
barcos ou beijos,
as águas estremecem.

Desamparadas, inocentes,
leves.
Tecidas são de luz
e são a noite.
E mesmo pálidas
verdes paraísos lembram ainda.

Quem as escuta? Quem
as recolhe, assim,
cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras?

Eugénio de Andrade

Raissa disse...

É legal quando sentimos o vento e percebemos que não estamos sozinhas. Me pego nessa situação sempre.
Vi no seu perfil que é jornalista e professora. Legal! Eu sou professora e me formo em jornalismo esse ano também!
Um abraço,
Raissa.

R Lima disse...

Contínuo e voraz a ventania que nos ronda.

Neste intenso sentido o só.. somente só se dilue.

Bjs.., e n assisti o filme ainda, acredita?



Texto de hoje: eScrItoReS...

Visite e Comente... http://oavessodavida.blogspot.com/

O AveSSo dA ViDa - um blog onde os relatos são fictícios e, por vezes, bem reais...

Lord of Erewhon disse...

Bonito poema - gosto da tensão minimal.

Dark kiss.
P. S. Tem certeza que você ainda não é parente afastada do Demónio?? - nessa foto só te faltava dois chifrinho e cauda... :)

Lord of Erewhon disse...

Que há para explicar?... você parece diabo fêmea aí na foto! :)

(Caso não tenha percebido: eu e KLATUU o embuçado somos a mesma criatura tenebrosa...)

;)

FINA FLOR disse...

sábias são as mãos que alcançam o chão, flor.

saudade de ti!

beijos

MM.

ps: adorei essa sequencia de fotos tuas, no orkut

manoela disse...

você tá tão linda! um sorriso e um olhar de quem gosta da vida, bjão ju

Bruxinhachellot disse...

Parece uma brincadeira infantil a forma como escreveste esta poesia. Reinventar sempre é a melhor pedida, pois nos transforma e a vida se renova.

Beijos de Sol e de Lua.

Gui disse...

Temos que renascer todos os dias não é? Um beijo

efvilha disse...

Deu vontade de lamber... sei lá o que. Doces da infância e os de hoje, talvez.

Beijo de Paz, em ti.

Nilza disse...

Hummmmmmmm delicia de salada..rs

beijos